Arquivos de Posts

Você procurou pela tag "tecidos sintéticos"

O QUE TEM POR DENTRO DA ROUPA?

Quase todo paletó é forrado, não é? E não só paletó, mas também casaquinhos e algumas saias e bermudas e calças e vestidos também. Esses forros têm função de ajudar a estruturar as modelagens das peças ou de proteger tecidos ou pele, dependendo do que tá sendo forrado – geralmente os forros têm superfícies lisas e escorregadias, pra ter sensação boa em contato com a pele ou pra não desgastar os tecidos usados em sobreposições, se esse for o caso (tipo em paletós). Os tecidos de forro quase sempre são sintéticos porque são super mega mais baratos, e por isso acabam tendo função térmica também (tecido sintético esquenta bem mais).

E daí que a gente aprendeu tempos atrás durante um trabalho que os materiais mais comuns pra se forrar (paletós, especialmente) são poliéster e acetato. Mas o legal vem agora: sabendo que tudo é sintético e sabendo dos prós-e-contras, a gente pode saber também que o acetato foi desenvolvido pra parecer com a seda e com a viscose, e por isso tem toque melhor. Ensinaram pra gente também que a entretela, essa parte entre o tecido e o forro que deixa golas e lapelas bem durinhas, pode deformar/enrugar com o tempo quando em contato com o poliéster – e com o acetato não! Mais a favor do acetato: diz que esse material aceita mais lavagens e mais passadas, e que o poliéster ‘pede arrego’ bem antes.

Então, amigos, se antes a gente aconselhava todo mundo a checar a etiqueta de dentro da peça pra conhecer de que material a roupa é feita, agora a gente vai passar a checar também qual a composição do forro! Que informação boa nunca é demais e quanto mais a gente sabe, melhor a gente faz compras (e economia também!). E o vídeo de Inside and Out de Feist, aqui em cima, não é uma boa ilustração?!?? ;-)

Tags: , , , , 12.02.2014 - 07:02 | Postado por Fernanda Categorias: na vida real 24 Comentários

MULHERES DE FIBRA

Nos posts aqui da Oficina a gente costuma dizer que tecido natural sempre é melhor que tecido sintético. Via de regra, essa afirmação realmente é verdadeira: os naturais costumam ter mais durabilidade, melhor toque e caimento. O sintético, no entanto, é mais barato, mais comum nas nossas lojas de departamento e também tem seu valor desde que a gente tenha mais atenção na hora de escolher e mais cuidado na hora de manter, afinal, pagar menos também tem seu lado trabalhoso.

Daniel Raad, uma das pessoas mais importantes da equipe de Alexandre Herchcovitch, uma vez disse para a Fê que é mais esperto comprar o melhor sintético do que a pior seda. Isso significa que embora seja verdade que geralmente as fibras naturais têm mais qualidade em comparação com as sintéticas, isso varia bastante na vida real. Não existe um único tipo de seda nem um único tipo de sintético.

A lã, por exemplo, tem uma classificação bastante complexa e sua qualidade depende, entre outros fatores, da região do corpo do animal de onde ela foi coletada. Uma lã que vem das patas não pode ser comparada a outra que vem da parte de cima da ovelha. Claro que na hora de comprar não tem como perguntar para a coitada da vendedora se a lã veio do pé, do rabo ou da cachola, mas saber isso explica porque a gente tem várias peças de lã no armário e nem todas esquentam o mesmo tanto nem duram o mesmo tanto.

Para Tais Remunhão, professora de tecnologia têxtil da Faculdade Santa Marcelina, não existe fibra ruim, o que existe é fibra mais correta para cada uso. “A verdade é que os tecidos sintéticos, por serem mais baratos, muitas vezes não recebem o devido cuidado”, diz a professora. Uma camisa de viscose que custa R$ 100 precisa do mesmo cuidado de uma de seda que custou R$ 500, afinal, a viscose é a versão sintética da seda, ela imita a seda.

Acontece que – justamente pela diferença de preço – a gente costuma lavar a de seda com carinho e jogar a irmã mais pobre na máquina. Depois pensamos que ela detonou mais rápido apenas porque era barata e sintética!

Para saber se um tecido sintético tem qualidade, é preciso reparar na trama (as mais fechadas costumam ser melhores), no toque (quanto mais sedoso, melhor) e no brilho (plástico brilha, então, quanto mais opaco, melhor).

Outro mito comum no assunto tecidos é que as chamadas bolinhas (o nome oficial delas é pling) são um defeito, um sintoma de má qualidade. Tais explica que a formação de bolinhas é uma característica das fibras curtas, como a lã usada nos tricôs. Já os chamados fios penteados, que passam por um processo mecânico de alongamento chamado penteadeira, têm menos tendência para formar bolinha. Esse é o caso da lã fria, por exemplo.

Aqui no Brasil, é raro uma roupa ser fabricada com 100% da mesma fibra. Fora quando se trata do algodão, a tendência da nossa indústria é misturar diferentes materiais. As misturas de sintético com natural são uma opção bem legal para quem não quer investir tão pesado em uma peça 100% cashmere, por exemplo, mas quer ter um pouquinho de glamour natural na roupa.

Como professora de tecnologia têxtil, claro que Tais só visita as lojas virando as etiquetas para checar a composição das peças. Avaliando apenas a questão do tecido – sem entrar no mérito estético – as lojas daqui que ela acha mais legais são Daslu, Saad e Carlos Miele. A Fê e a Cris também têm endereços certeiros para encontrar tecidos bons: Cris Barros, Erre, Flavia AranhaGiuliana Romano, Paula RaiaLita Mortari, Richards, Alcaçuz e Leeloo.

Tags: , , , 23.04.2013 - 09:20 | Postado por juliana cunha Categorias: moda e consultoria 27 Comentários

TECIDOS NATURAIS x TECIDOS SINTÉTICOS

Olha, quase tudo que a gente adquire – em peças de roupa – é feito de tecido. Então é bem esperto de nossa parte conhecer tipos de tecidos e saber das propriedades (boas e ruins) de cada um, não é mesmo? Conhecendo, a gente consegue avaliar o que vale mais e o que vale menos, quando usar cada tipo desse materiais e mais.

Todo tecido pode ser feito com fibras naturais ou artificiais/sintéticas. As fibras naturais são o algodão, o linho, a lã e a seda – só. Esses tecidos são bem confortáveis e flexíveis, duráveis, resistentes, de toque agradável, práticos de manter e todos “respiram” (não dão cheirinho ruim!); mas amassam com mais facilidade e super podem desbotar com o tempo. Os tecidos feitos com fibras artificiais (tipo viscose, raion, acetato, poliéster, acrílico e nylon) secam muito rápido, são super resistentes e quase não amassam (ótemos para viagens), mas não absorvem a transpiração, dão cheirinho (ixi!) e queimam com super facilidade na hora de passar.

Sabe aquela etiqueta que vem dentro da peça, grudadinha na costura do lado do corpo? É lá que a gente conhece a mistura de fios que compõe cada peça que a gente compra, até com porcentagens de cada fio na confecção da roupa – sabia? Toda roupa tem obrigação de vir com essa etiqueta, tipo uma imposição do governo e tals. E aí, entendendo a etiqueta, a gente pode avaliar coisas tipo:

* uma peça com maior quantidade de tecido natural sempre é mais fresquinha: no calor, mesmo peças escuras – se feitas em algodão, seda e afins – dão menos sensação de mointo quente do que as sintéticas (que fazem parecer que a gente se enrolou no plástico – nada fresquinho, néam?); e quanto mais tecido natural na composição, mais o valor cobrado pode ser justificado

* uma peça com maior quantidade de tecido sintético é mais quente: então malhas feitas em fios artificiais, bem pro frião mesmo, super aquecem mais (e a gente sempre usa com camiseta de algodão por baixo!) e podem ser bem baratinhas – o que não vale é pagar super caro por uma peça 100% sintética sabendo que não vai super durar, entende?

* materiais naturais transmitem instantaneamente uma imagem mais elegante e duram bem; materias sintéticos têm questões de manutenção recorrentes e enjoadas de cuidar, tipo bolinhas, enrrugados, cara de velhinhas logo depois das primeiras lavagens, costuras que entortam e tals.

* tudo que tem stretch/elastano tem fio sintético na composição; tecido plano (que não estica) pode ser feito de tecido natural ou de tecido sintético; malha (tecido que estiiiiiica, tipo viscolycra, jérsei, suplex, etc etc etc) pode ter porcentagem de tecido natural, mas é quase sempre muito sintético – aqui tem toda diferença entre tecido plano e malha bem explicadinha!

E em cada guarda-roupa, pra cada tipo de personalidade e de estilo de vida, a gente encontra necessidades diferentes. Quem viaja muito precisa de uma coisa, quem vai andando pro trabalho precisa de outra coisa, quem tem criança precisa de outra, quem tem momentos diferentes pode precisar de uma coisa pra cada momento desses. Bom é conhecer e estudar pra todo mundo investir certo, em valores e em quantidades!

Mais:
Aula de manutenção da Oficina de Estilo
Artigo super legal dizendo da importância do material sintético pra “salvar o planeta” (ãnh?)

LAVAGENS PRA CADA TECIDO

Tipos diferentes de tecido demandam manutenção variada: vale conhecer porque né, roupa bem cuidada acrescenta elegância até nos looks mais informais e dizem muito da personalidade de quem usa. Como se a roupa com manchinhas, bolinhas, torções e desgastes sugerisse que, se a gente cuida mal do que tá vestindo pra se apresentar ao mundo, a gente também cuida mal do resto todo da vida (isso é inconsciente, viu gente, mas é verdade!).

Então, depois de identificar de que tipo de fibra cada peça é feita (lá dentro, na etiqueta de composição da roupa), e saber se o que a gente tem pra cuidar é fibra natural ou artifical ou sintética, vale lembrar disso daqui:

• Lã é tecido natural e encolhe se for lavado em temperaturas super altas. Na hora de secar, vale esticar sobre o varal (com a ajuda de uma toalha se for o caso) – peças de lã deformam super se penduradas!

• Algodão é tecido natural e também curte água mais fria (alta temperatura faz encolher esse material também). Se a peça é colorida, é prudente lavar sozinha pelo menos na primeira vez. Na hora de passar não tem tanta preocupação porque algodão resiste super bem ao ferro.

• Linho é tecido natural e – surpresa! – tem que ser lavado sempre à mão. Não pode centrifugar nem esfregar nem nada! Se tiver manchinhas e tals é melhor levar pra lavanderia, pra que profissionais cuidem da peça. Pra passar, o ferro precisa estar em temperatura baixa (e sem vapor!).

• Acetato, rayom e viscose são tecidos artificiais (nem tão naturais, mas também não tão sintéticos, haha) e também não curtem centrífuga ou muita ralação no tanque.

• poliéster, nylon e lycra são tecidos sintéticos e são super hiper mega sensíveis ao calor (derretem até!). A água que lava precisa estar – no máximo – morna, e o ferro precisa estar em temperatura bem baixa, também sem vapor.

Vale pra tudo (e a gente aplica nas nossas próprias casas, e ensina pras funcionárias das clientes e tals): na dúvida, a gente lava na água fria, à mão e separado de tudo; na hora de lavar à mão a gente deixa o sabão dissolver todinho na água e só então começa; é bom nunca abarrotar a lavadora (vale fazer “duas viagens” se tiver quantidade grande pra lavar); pra mudar a temperatura do ferro de alta pra baixa a gente muda o botão e espera uns minutinhos; toda roupa não precisa estar super suja pra lavar – quanto menos esforço a gente faz pela limpeza, mais a fibra resiste bonita como nova!

E tooodo esse aprendizado veio de um folheto explicativo de loja, acredita? A gente aprende, aplica e assim faz valer o investimento em moda que faz! ;-)

Tags: , , 28.09.2010 - 09:03 | Postado por Fernanda Categorias: mundo da moda 17 Comentários

DECIFRANDO AS ETIQUETAS

Todas as nossas peças de roupa (ou quase todas) são feitas de tecido, feitos de fibras. Essas fibras podem ser divididas em dois grandes grupos: o das fibras naturais e o das fibras artificiais/sintéticas. E esse post é um complemento (ou uma “segunda parte”) desse outro post (clica!), que conta das propriedades, facilidades e diferenças desses grupos, com prós e contras de cada um. Vai ser mais eficaz e vai fazer mais sentido ler primeiro aquele lá pra depois voltar e ler esse daqui – pra então todo mundo incluir a leitura das etiquetas das peças como parte do processo de escolha e compra!

Photobucket

Acontece que essas fibras vêm de lugares diferentes, são manipuladas e trabalhadas de jeitos diferentes, mas tem nomes bem definidos na hora em que viram ‘produto final’. Esses nomes são os que aparecem nas etiquetas internas das roupas (nas costuras laterais, geralmente), que deixam a gente conhecer a composição de tudo que confecciona a peça. Então pra escolher certeiro a gente tem que conhecer esses nomes e o que eles significam. Veja:

TECIDOS FEITOS COM FIBRAS NATURAIS
Algodão, linho, cânhamo, rami, lã, cashemere (ou caxemira), angorá, mohair, alpaca, seda. Contam como fibras naturais o que não é tecido mas também pode confeccionar peças/detalhes/acessórios: peles, couro, camurça, nobuck, sisal, palha.

TECIDOS FEITOS COM FIBRAS SINTÉTICAS
Poliamida (ou nylon), lycra, acrílico, poliéster, spandex (ou elastano), microfibras, tactel.

No meio desses dois grupos tem as fibras artificiais, intermediárias das sintéticas e das naturais porque tem um pouco de cada uma – tanto no jeito de extrair/produzir quanto nas propriedades e jeitos de usar. Essas fibras são tiradas de árvores, são de celulose, e então são manipuladas com substâncias químicas pra render tecidos. Ó:

TECIDOS FEITOS COM FIBRAS ARTIFICIAIS
Raiom, acetato, triacetato, lyocell, viscose, modal, tencel.

Repara que quando a gente conhece esses nomes – e quando a gente sabe o que cada um singifica – é mais fácil escolher o tecido certo pra cada temperatura, ocasião, combinação, estilo e mensagem. E ainda é possível pensar em custo benefício do que tem mais fibra natural, mais fibra sintética, no que é legal investir mais ou um pouquinho menos e tals. No geral a gente trata tudo como natural ou sintético, mas tem tanta coisa no meio, né? Bom pra gente ser mais e mais seletiva nas compras!

DE OLHO NA MANUTENÇÃO

Roupa bem cuidada tem cara de arrumadinha sempre, boa manutenção faz com que qualquer peça pareça mais sofisticada e mais elegante. A gente sabe que materiais de qualidade duram mais e tals, mas ainda assim roupa que se usa é roupa que se gasta né. E quanto menos a gente investe em roupa – e em materiais de qualidade, mais caros por natureza – mais a gente precisa ficar de olho na manutenção de tudo. Os jeitos de lavar, secar, passar e guardar as peças super contam nesse sentido. Que a peça pode ter custado poquinho mas pode aparentar ser caaaaara!

manutention_gde

A gente ensina todas as clientes a preferência pela água fria pra lavar tu-do. E pede pra prestar atenção em pregadores no varal, que eles super podem marcar definitivamente tecidos mais finos – melhor deixar tudo secando em cabides pendurados no próprio varal. E gente, secadora só pra roupa de cama e banho: nada de colocar roupitchas pra secar na máquina, que o calor pode não só encolher peças mas também diminuir a vida útil de alguns fios. Na hora de passar é bom usar temperaturas amenas no ferro (ou vapor! lembra do vídeo?) e virar a peça do lado avesso pra não correr risco de queimar e tals. Tem aqui uma aulona de manutenção toda detalhada, clica pra re-lembrar.

Além disso é bom prestar atenção no que dobra e no que pendura, pra fazer com que modelagens permaneçam bonitinhas, no lugar, pro resto da vida. E de tempos em tempos é bom fazer uma “checagem geral” nas peças pra procurar bolinhas (a gente já fez até post!), linhas soltas, costuras se desfazendo, furinhos e botões soltos – tudo isso tem solução caseira e fácil. Parece detalhe pequeno mas é a diferença entre um look pobrinho e um look digno. De verdade!

Página 1 de 2 | 12